QUANDO O ESPÍRITO BENFIQUISTA PREVALECE, NÃO HÁ DERROTA, CORRUPTO, MERCENÁRIO OU ARRUACEIRO QUE O CONSIGA APAGAR OU FAZER DESISTIR.
BENFIQUISMO É ESTADO DE ALMA SEM DEFINIÇÃO, PRIVILÉGIO DOS PUROS!

domingo, 1 de fevereiro de 2015

COPIAR & ARQUIVAR - CAPÍTULO SEGUNDO (1984/1992)




NA SENDA CORRUPTA

1984

Abril, 11
FC Porto-Aberdeen FC (1-0)

Abril, 25
Aberdeen FC-FC Porto (0-1) - A UEFA e a Federação Portuguesa de Futebol (FPF) virão (em 1996) a investigar um hipotético favorecimento do FCPorto nestas meias-finais da Taça UEFA. A denúncia da alegada corrupção parte de Fernando Barata – Presidente do Farense, que admitirá ter facilitado o suborno ao árbitro Ion Igna. Em questão estão viagens de férias ao Brasil e ao Algarve oferecidas pelo FCPorto a Ion Igna.

Acidente na bancada no Salgueiros – FC Porto

Árbitros exigem garantias de segurança. Caso contrário ameaçam não arbitrar

Denúncias sobre a tentativa de suborno de 2 jogadores pelo Marítimo

Incidentes com jornalistas nas Antas no FC Porto – Varzim

Suspensão do jogador do FC Porto que agrediu o árbitro num jogo da UEFA

Incidentes de violência no FC Porto – Sporting em hóquei em patins

Conselho de arbitragem instaura processos disciplinares a árbitros. Em causa as declarações públicas

Incidentes de violência no FC Porto – Boavista

1985


Invasão de campo no FC Porto – Portimonense

Incidentes no Sporting – FC Porto em hóquei em patins

Suspensão do presidente do Sporting por ofensas ao árbitro

Sanções em consequência dos incidentes no FC Porto – Benfica em basquetebol

FC Porto “corta relações” com Presidentes do Sporting e Boavista

Proibição da entrada de jornalistas do Record nas Antas

Denúncia de tentativa de suborno a um jogador do Portimonense

Processos disciplinares no Benfica. Em causa as contestações dos jogadores aos árbitros

Novembro, 24
O avançado Cadorin do Portimonense denuncia a tentativa de corrupção por parte de Luciano D'Onofrio antes de um Portimonense-FCPorto, a contar para a 11.ª jornada do campeonato nacional. A ideia do empresário em sondar Cadorin é pagar-lhe 500 contos mais a possibilidade de uma transferência para o FC Porto ou um clube de Itália ou Suíça. Para tal, Cadorin "só" teria de cometer um penálti nos primeiros cinco minutos. O avançado belga - que curiosamente foi levado de Liège (do Standard) para Portimão pelo próprio D'Onofrio, após conselho de Norton de Matos, também ele jogador do Standard) recusa participar no escândalo e denuncia o caso ao presidente portimonense, Manuel João, que apresentou queixa na PJ. Como era a palavra de Cadorin contra a de D'Onofrio, o caso acaba por não resultar em nada.

1986


O campeonato segue animado com a luta Benfica-F.C.Porto na frente da tabela. O eborense João Rosa é o árbitro escolhido para o Salgueiros-Benfica. A arbitragem é uma das mais escandalosas de sempre, o Benfica foi espoliado e o resultado terminaria com um empate a um golo, o que viabilizaria o FC Porto sagra-se campeão nacional, com 2 pontos de avanço sobre o Benfica. O sistema está a atingir o auge dos seus tempos mais tenebrosos.

O avançado Cadorin do Portimonense revelou à comunicação social como D'Onofrio lhe prometera 500 contos e uma transferência para o FC Porto ou um clube da Itália ou da Suíça se Cadorin provocasse um penálti no início do jogo Portimonense-FC Porto
.


Diferendo entre o FC Porto e a Associação de Clubes

Incidentes de violência na Académica – FC Porto

FPF expulsa 4 clubes por terem recorrido aos tribunais face ao estipulado no novo Regulamento
Disciplinar

Denúncia de tentativa de suborno a um árbitro

O “caso Saltillo”. Mundial de Futebol’ 86 no México

1987


Sanções em consequência dos incidentes no Salgueiros – FC Porto

Invasão de campo no FC Porto – O Elvas em futebol

Suspensão de oito árbitros acusados de Corrupção

Suspensão do treinador (ex-seleccionador nacional). Em causa as insinuações públicas de corrupção na
FPF

1988


Outubro, 23Dia de Clássico Benfica - FC Porto. O jogo resulta num nulo, beneficiando as pretensões dos portistas. O Benfica tem uma equipa bem mais criativa do que a do FC Porto mas vê-se envolto no constante anti-jogo dos visitantes, Carlos Valente - árbitro do encontro, contemporiza a sucessiva dureza de jogadores como Bandeirinha, Geraldão, João Pinto, N’Kongolo, Inácio, André, Jaime Pacheco e Sousa. No final, somente 2 jogadores portistas foram admoestados, N'Kongolo aos 60 minutos de jogo e Jaime Pacheco, já decorrido que era o 82º.

Novembro, 20

Apesar da sua avançada idade, Carlos Pinhão é barbaramente agredido em Aveiro, depois de jogo Beira Mar-FC Porto, por elementos ligados ao FCP. Processo judicial acabará por ser arquivado por "falta de provas".

No mesmo dia em que Carlos pinhão é agredido, Martins Morim, do mesmo jornal, é também alvo da fúria dos adeptos do clube da cidade invicta. Entre os agressores destacava-se Tónio Maluco, conhecido adepto portista. O guarda Abel diz aos jornalistas que «era melhor do que cair por uma ribanceira».

Sanções em consequência dos incidentes no Sporting – FC Porto em basquetebol

“Corte de relações” entre o Benfica e o FC Porto. Em causa a transferência de jogadores

“Corte de relações” entre o Belenenses e o FC Porto

Jornalista agredido por um jogador na carrinha oficial do FC Porto

Incidentes de violência no FC Porto – Boavista no Nacional de Juniores em Futebol

1989


Março, 5Eugénio Queirós, jornalista do Correio da Manhã/Record, é agredido no Estádio do Restelo por seguranças de Jorge Nuno Pinto da Costa, que o empurram violentamente para fora do corredor de acesso à cabine do FC Porto. O jornalista ainda apresenta queixa na PJ mas acaba arquivada por "não se conseguir identificar os agressores".

Setembro, 24
João Freitas, jornalista de A Bola, é agredido barbaramente perto dos balneários do Estádio das Antas. Foi assistido no Hospital de Santo António e identificou Vergílio Jesus e um tal Armando entre os agressores. A queixa foi arquivada porque a estemunha principal, o agente da PSP Oliveira Pinto, disse que não se lembrava de nada.

Outubro, 22

O árbitro algarvio Francisco Silva (envolvido mais tarde no célebre «caso do envelope», uma suposta armadilha de Lourenço Pinto, por saber demais) arbitra o Clássico FC Porto-Benfica da 6.ª Jornada, o FC Porto vence o jogo através da conversão de uma grande penalidade inexistente, convertida por Stéphane Demol decorrido que era o minuto 18 da 1.ª parte. O FC Porto sagra-se campeão esta época com 4 pontos de avanço sobre o Benfica.

Incidentes de violência no FC Porto – Benfica (Taça de Portugal em Futebol)

Dirigente do Belenenses agredido por elementos da comitiva do FC Porto no jogo com o mesmo clube

Treinador denuncia tentativa de suborno de três jogadores do Estarreja

Diferendo nas estruturas da arbitragem. Em causa denúncias de suspeita de corrupção

Jornalista do jornal A Bola agredido nas Antas por seguranças do FC Porto

Demissão da direcção da FPF

1990


Março, 11Dia de Clássico Benfica - FC Porto, o jogo é decisivo para as pretensões encarnadas, encaminhamo-nos para a fase final do campeonato. O FC Porto recorre ao anti-jogo durante 90 minutos para parar as iniciativas do Benfica, o árbitro da partida Veiga Trigo, complacente num sem número de lances, permite que os portistas Bandeirinha, Geraldão, João Pinto, Stéphane Demol, Branco, André, Semedo e Jaime Magalhães quebrem sistematicamente o ritmo do jogo que os jogadores do Benfica queriam impôr através de faltas sem admoestações. Porque o FC Porto tinha jogadores especializados na cobrança de livres directos, perto de uma dezena de livres foram assinalados nas imediações da área encarnada, quase todos simulados. Valeu ao Benfica que por acaso nesse dia Geraldão até está com a pontaria desafinada. O jogo termina empatado a zero e sem qualquer admoestação para o FC Porto, que se vem a sagrar campeão.

Outubro, 4
Na véspera do jogo Portadown-FCPorto, Manuela Freitas do jornal Público foi ameaçada e insultada no 'hall' do hotel por integrantes da comitiva portista.


Novembro, 10

O árbitro algarvio Francisco Silva está no balneário para apitar o Penafiel-Belenenses. No entanto, quem aparece em campo para apitar é Fortunato Azevedo. Minutos antes do encontro, Lourenço Pinto, então presidente do Conselho de Arbitragem, entra no balneário do árbitro e ordena que lhe seja entregue um envelope contendo 2 mil contos. | Ler mais

Outubro, 24
José Saraiva, chefe de redacção do Jornal de Notícias, é agredido à porta de casa por dois indivíduos. O JN tinha publicado uma notícia envolvendo Pinto da Costa no famoso caso "Aveirogate". Nunca chegou a haver queixa judicial.

Sanções em consequência dos incidentes de violência do Guimarães – FC Porto em basquetebol

Incidentes de violência no Portimonense - FC Porto

João Martins, jornalista ligado ao automobilismo, trabalhava na rádio do filho de Pinto da Costa e "roubou" a namorada ao Alexandre. Agredido à porta de casa por dois indivíduos, acabaria por não abrir qualquer queixa porque lhe pediram desculpas.

Santos Neves, jornalista de A Bola, quase que se despista em plena estrada no Porto, por alguém lhe ter desapertado as jantes do carro. Nunca se provou quem foi o autor.

“Corte de relações” entre o FC Porto e o jornal A Bola

Invasão pacífica nas Antas. Actuação policial colocada em causa

Diferendos nas classificações dos árbitros. Insinuações de corrupção

Diferendo na homologação do Nacional de Hóquei em Patins. Em causa 2 situações de dopagem (FC
Porto)

Suspensão do massagista do FC Porto devido a casos de dopagem

O caso ‘Penafielgate’

Incidentes de violência no Farense-FC Porto

Um caso de dopagem no FC Porto – Ovarense

Afastamento do presidente do CA da FPA

Na época 89/90 o FC Porto sagra-se campeão nacional. Foi uma época cheia de casos. Na 25ª jornada o FCP foi ao campo do Portimonense e venceu por 1-0 com um golo de Rui Águas, com uma arbitragem polémica. Os desacatos provocados pelos adeptos algarvios, indignados pela actuação do árbitro e provocados por arremessos de latas vindas do autocarro portista, acabariam por ter consequências mais tarde, com a interdição do campo do clube algarvio. O presidente do Portimonense, Manuel João confessava-se indignado com a arbitragem, afirmando «O que será mais preciso para um árbitro ser irradiado do futebol?» E, de forma já pouco premonitória avisou «O Sporting e o Benfica não passam de uns passarinhos» referindo-se ao contexto criado no futebol nacional. O Portimonense acabaria por descer de divisão nesse ano, consequência que muitos atribuíram à ousadia da denúncia de Manuel João. Só voltaria a conviver com os grandes do futebol nacional em 2010, com uma equipa dirigente mais próxima do FC Porto.

1991


Abril, 28
Incidentes de violência no FC Porto – Benfica. Um dos clássicos mais quentes de sempre, o FCP recebe o Benfica naquele que é o jogo decisivo do título. O mote é dado logo à chegada da comitiva benfiquista, uma tarja com os dizeres "Ide sofrer como cães" é pronúncio do que se vem passar a seguir. Os jogadores do Benfica foram obrigados a equipar-se nos corredores, pois o balneário tinha sido empestado com um cheiro nauseabundo e tóxico. Nesse dia o presidente João Santos e Gaspar Ramos são ameaçados de morte pelo guarda Abel, e a comitiva benfiquista é apedrejada logo desde a saída do hotel. Alheio a estes episódios, o Benfica de Erikson ganha este jogo por 2-0 graças a dois golos de César Brito, consequentemente sagra-se campeão poucas jornadas mais tarde. Carlos Valente, o árbitro do clássico - só a muito custo consegue sair do estádio, no meio de insultos e algumas agressões que o deixaram a cambalear. A escolta policial consegue, por fim, retirá-lo do estádio. | Ler mais | Ver vídeo 1  2  

Setembro, 9
Após marcar um penálti na final da supertaça em COimbra, assiste-se a uma das cenas mais caricatas do futebol português. Os jogadores do FC Porto (liderados por Fernando COuto e João Pinto) correm meio campo a perseguir o árbitro.


Novembro, 11

Dia de Clássico a contar para a Jornada 10 do Campeonato Nacional 91/92, Fortunato Azevedo é o árbitro da partida. O encontro termina empatado a zero fruto de uma grande penalidade não assinalada a favor do Benfica e também da expulsão de Isaías. O árbitro voltaria a apitar o Clássico da 2.ª volta.

Incidentes de violência no FC Porto – Illiabum em basquetebol

Denúncia da tentativa de corrupção de dois jogadores da Juventude de Ronfe

Diferendo entre a FPA e o FC Porto

Tentativas de subordo de jogadores do Paços de Ferreira

Diferendo entre o CJ e o CA da FPF. Em causa a despromoção de árbitros da I Divisão

1992


JaneiroO Diário de Notícias publica a notícia da condenação de 2 agentes da PSP a 7 anos por tráfico de droga, um deles, António Barbosa, conhecido por "Tomé mal", é antigo elemento da segurança do FC Porto.

Março, 3
O Sporting recebe o FC Porto para a Taça de Portugal e é afastado da competição, tendo este jogo gerado forte contestação. | Ver vídeo 

Março, 22
Clássico decisivo para as aspirações benfiquistas, o Benfica necessita vencer o FC Porto para ainda aspirar ao título. Fortunato Azevedo, o árbitro da 1.ª volta que expulsara Isaías e não assinalara uma grande penalidade a favor dos encarnados, volta a ser o árbitro da partida. O árbitro cvolta a perdoar uma grande penalidade contra os portistas com o marcador ainda em aberto. A meio da segunda parte, expulsa Rui Bento por uma pretensa falta sobre Rui Filipe. Do lance sucederia o primeiro golo portista e a expulsão do benfiquista. O FC Porto vencia por 3-2 e encomendava as faixas de Campeão.

Maio, 9
Já com o FC Porto campeão, são exercidas pressões para que o FC Porto ofereça uma vitória ao Gil Vicente e outra à Académica. A razão prende-se com os dois clubes serem treinados por António Oliveira e precisarem de pontos para se manterem no principal escalão. Octávio Machado, então adjunto de Carlos Alberto Silva, conta mais tarde que o FC Porto ofereceu a vitória uma vez que os pontos já não faziam falta ao clube da Invicta, já campeões. «Pensa que alguma vez vou esquecer o que vivi antes do jogo Gil Vicente-FC Porto na época de Carlos Alberto Silva? Foram os momentos mais traumatizantes da minha vida e da minha carreira. Esse jogo determinava a descida de divisão do Gil Vicente, treinado por António Oliveira, caso a equipa perdesse contra o FC Porto, na altura do jogo já campeão nacional (...) Num telefonema, chegaram a dizer-me que eu era a única pessoa do FC Porto que desejava a vitória da equipa frente ao Gil Vicente (...) De facto, bem vi aqueles que foram ao balneário do Gil Vicente festejar a vitória da equipa. Perdemos por 1-0, mas não perdemos a dignidade, porque não cedo a pressões e disse isso mesmo aos meus jogadores no fim do jogo. (...) Num jogo entre a Académica e o FC Porto, em que se discutia a descida de divisão da Académica, também passei por situações difíceis. Acabámos por ganhar com um golo de Raudnei, infelizmente para alguns, porque não era suposto o FC Porto ter ganho esse jogo.».

Agosto, 30
Dia de Belenenses-FCPorto. Arbitragem deplorável de Fortunato Azevedo em favor dos portistas. A título de exemplo, num lance em que um jogador do Belenenses inicia um rápido contra-ataque de 3 contra 3, e já depois de passar o meio-campo, quando se preparava para desmarcar um colega na equerda acaba por ser travado por um jogador do FCPorto que o carrega por trás. O árbitro da partida não só não admoesta o jogador azul e branco como reclama com o jogador do Belenenses que no chão protestava pela falta.

Setembro, 1António Paulino, jornalista do Expresso é agredido à porta do seu jornal na redacção do Porto, segundo o próprio, por Pinto da Costa, o filho e Joaquim Pinheiro. Tudo acontece porque queriam sabem que teria sido o jornalista responsável pela notícia sobre um processo de Alexandre Pinto da Costa.

Setembro, 9
Dia de jogo FCPorto - Benfica a contar para a decisão da Supertaça Cândido de Oliveira. Palco de uma das cenas mais caricatas do futebol português: um grupo, liderado por João Pinto e Fernando Couto, em perseguição ao árbitro José Pratas. | Ler mais | Ver vídeo  

Proibição da entrada de jornalistas nas Antas

Outubro
Declarações de Pinto da Costa desvaloriza as agressões a jornalistas | Ver vídeo  

Novembro, 8
A contar para o Campeonato Nacional 1992/93, o Benfica desloca-se às Antas para defrontar o FC Porto à Jornada 11. Timofte encarrega-se de converter a grande penalidade que daria a vitória ao FC Porto, num lance dúbio aos 84 minutos de jogo. O FC Porto sagra-se campeão esta época com 2 pontos de avanço sobre o Benfica.

Incidentes de violência no Leixões – FC Porto

Árbitro agredido no Sporting – FC Porto em juvenis de futebol

“Corte de relações” entre o Gil Vicente e o FC Porto

Incidentes de violência no FC Porto-Desp. Chaves

Incidentes de violência no Beira Mar-FC Porto

Diferendo na estrutura da arbitragem do futebol

António Oliveira, treinador do Gil Vicente, aquando do F.C.Porto - Gil Vicente, faz entrar Remko Boere a um minuto do fim com o resultado em branco. O jogador que nunca havia jogado na equipa barcelista comete a proeza de num minuto apenas fazer uma falta desnecessária dando origem a um penálti caricato e ser expulso. O O F.C.Porto vence por 1-0. Na segunda volta, em Barcelos, com o F.C.Porto já campeão, o Gil venceria por 2-1 e salvar-se-ia da descida à segunda divisão, no que muito dizem ter sido um ajuste de contas.

Entrevista a João Santos, ex-Presidente do Sport Lisboa e Benfica, na qual denuncia actividades ilícitas do então "Guarda Costas" de Pinto da Costa e comenta o processo de averiguações em curso. | Ver vídeo  

CONTINUA...

sábado, 31 de janeiro de 2015

TRANSCRIÇÃO PERTINENTE



Não, não é a continuação da história do vergonhoso CLUBE CORRUPTO. Isso vai continuar no próximo "post".
Interrompemos hoje a divulgação e que seria o segundo capítulo porque, e ralacionado com o clube criminoso, Alberto Miguéns, pertinentemente, brinda-nos, no seu último "post", com a verdade do momento, sobre a coacção e intimidação levada a cabo pelo criminoso Gangster da Costa, o jornalixo, a quadrilha de assaltantes-intimidatória internacionalmente conhecida, bem como toda a bandidagem escudada nos lugares de decisão do futebol e não só.

Aqui vai, comprometendo-nos continuar (capítulo segundo) no próximo "post", a história da corrupção vestida de azul e branco, 1928/1913:

sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

Ovo de Réptil

A INTIMIDAÇÃO PORTISTA ESTÁ A COMEÇAR. MUITO SE VAI PASSAR NA PRÓXIMA DÉCADA (SE O BENFICA FOR BENFICA!)

Fotografia de arquivo
As notícias de coacção de adeptos do FC Porto a dois árbitros no último fim-de-semana deve ser já o prenúncio do que se adivinha para o futuro próximo. Se o Benfica conquistar o próximo campeonato ou quando estiver mais próximo dele. Do segundo título de campeão nacional consecutivo. O Bi. Mas anuncia muito mais do que isso.


Intimidar para condicionar, condicionar para intimidar
O objectivo desses adeptos andróides é tentar por via directa fazer o que os dirigentes portistas sempre fizeram. E fazem, como fez Antero Henrique em Braga. Pressionar a arbitragem para serem beneficiados, escandalosamente beneficiados. Aos adeptos do clube, parece-lhes que os seus dirigentes ficaram limitados pela pressão do Apito Dourado e do "Youtube" decidindo tomar "em mãos" o assunto. Veremos se é episódico ou a regra nos tempos futuros que vão chegar rapidamente para serem presente.

Curto prazo (2014/15): enxovalhar para influenciar todos os árbitros
Por agora é "espuma dos dias". Tentar que o FCP não perca, precocemente, o campeonato nacional. Tentaram isso com João Capela. Este não teve uma decisão contra o FCP mas nem assim. Correram o risco de, com nove pontos, dizerem até pró ano. O FC Paços de Ferreira (e o Benfica) safaram-nos. Ao FCP e as árbitros que não iriam ter descanso até começar o campeonato nacional em 2015/16. Vandalizar a casa de Cosme Machado (o portista de Famalicão) ou vandalizar o jantar de João Capela (o mais recente sportinguista da tradicional família verde-e-branca Capela) é mais para os outros árbitros verem o que os espera!

E depois?
Há algum tempo que tenho a percepção que os portistas (o portismo) não vão aceitar que o Benfica se torne hegemónico em detrimento do FC Porto. Por isso andam atarefados a tentar, custe o que custar, que o Benfica não conquiste o Bicampeonato. Será uma "Caixa de Pandora" que, como se sabe, depois de abrir não sabemos (não sabem) o que de lá sairá!

Portismo andróide e nazismo hitleriano: casa comum
Tirando as devidas proporções, até será mais desproporção, a lógica do portismo actual (formatado por Pinto da Costa) tem muito de hitleriano. Que não era, no início a facção dominante no partido Nazi. Depois foi dizimando dentro do partido, a seguir na Alemanha e finalmente na Europa. A semelhança é tirada da máxima de Pedroto que podia ser de Maquiavel ou Hitler: «Os fins justificam a utilização de todo e qualquer meio!»

portismo tem medo do Benfica
Tal como o nazismo que desprezava e humilhava os "perdedores", naquela atitude típica dos cobardes que vendo alguém prostrado ainda vai pontapear indefesos, o portismo andróide  não sabe ganhar, vencendo SEMPRE, não a seu favor, mas contra os outros, contra o Benfica.

Têm medo que os Benfiquistas lhes façam o mesmo
O tédio e pânico dos andróides é que como funcionam dentro da "cultura portista" pensam que se o Benfica começar a conquistar títulos com regularidade, os Benfiquistas vão fazer-lhes o que eles fazem. Tipicamente nazi. Estes suicidaram-se (os dirigentes) por temerem ser humilhados como eles humilhavam. Conhecendo a dor e desprezo doentio que provocavam nem sequer admitiam que não lhes fizessem o mesmo. Os andróides só de pensar nisso tremem que nem varas verdes/azuis! Com a agravante de perceberem que ainda vai ser pior. Se eles que são minoria humilham daquela maneira, olhem o que lhes podem fazer os adeptos de um clube três ou quatro vezes superior!

A Cultura Benfiquista é outra
Os portistas não precisam de ter receio. Andam há anos a humilhar o Benfica, os Benfiquistas e o Benfiquismo. Mas a Cultura Benfiquista nada tem a ver com a portista. É um Clube tolerante, universalista, democrático, abrangente, respeitador das diferenças, que para ser grande une em vez de separar. Tem levado com gente inqualificável, até nos media, onde há muitos "talentos" que culpam a endémica fraqueza dos emblemas desportivos pelo facto dos Benfiquistas darem mais valor ao Benfica que aos clubes das suas terras, mesmo que actualmente já sejam lugarejos com apenas três idosos com mais de 70 anos. Por isso nos media há êxtase quando ouvem os sportinguistas do clube local (e alterar o nome... não?) ou os vitorianos Sport Club que têm por missão expulsar, de Braga e Guimarães, os Benfiquistas. Podem circular à vontade. Quando o SLB voltar aos Tris e conquistas europeias não se preocupem que não vão humilhar. Quando muito terão pena...

Para impedir que o Benfica se cumpra...
Vão tentar tudo-por-tudo para impedir a concretização de um Benfica conquistador. Preparam-se para colocar o País, a sociedade, o desporto e o futebol a "ferro-e-fogo". Vão conseguir? Não sei. Mas é com a ascensão do Benfica que se vai perceber a real dimensão (e força) do portismo andróide.

Se forem mesmo muitos ou importantes em posições sociais, políticas e financeiras...
Vão conseguir fazer (e trazer) muita confusão.

Se afinal a sua força for fátua, por serem poucos e sem capacidade de influenciar...
Só vão fazer cócegas.

Não tendo dons de adivinho é isto que penso do futuro próximo!

Alberto Miguéns

sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

RELEMBRAR...COPIAR...ARQUIVAR (1)



Por capítulos, iniciamos hoje a narração histórica do mais corrupto e vergonhoso dos clubes portugueses. O mais agraciado e protegido clube do regime fascista que, não obstante a Revolução do 25 de Abril, tem continuado a saga corrupta, sempre apadrinhado e protegido pela rede de esbirros fascistas, que dentro do regime actual e em nome da democracia, conseguem reinar a seu belo prazer e fazer dele, o elo de protecção que se desdobra nos tribunais, na própria justiça e nas mais altas instâncias e pontos nevrálgicos da governação.

Tudo começou muito antes do biltre Gangster da Costa se tornar o "Vitto Corleone" do futebol português.

Mas não me vou alongar nesta espécie de intróito, porque tudo o que disser, será o repetir de imagens que a própria narração nos trará.

Mas antes, seria falta grave, não mencionar a fonte deste registo histórico que, nos mostra pormenores interessantes, alguns em parte conhecidos e outros nem tanto: blog "ANTI-CORRUPÇÃO".


CAPÍTULO PRIMEIRO (1928-1983)


PARA QUE NUNCA FIQUE NO ESQUECIMENTO...

 HISTÓRIA RESUMIDA DA CORRUPÇÃO DO FCP

1928

Urgel Horta é o presidente do Futebol Clube do Porto em 1928/1929, algo que viria a repetir em 1951/1954.

Março, 13

Urgel Horta faz uso da sua autoridade e eleva o FC Porto a Instituição de Utilidade Pública, passando a usufruir de todos os benefícios daí inerentes. | Ler mais

1938

Ângelo César Machado, um dos «braços intelectuais» que puxa Salazar para a Presidência do Conselho, sobretudo através de seus artigos no Diário da Manhã, sobe a Presidente do FC Porto, acumulando assim o cargo de Presidente de FC Porto e Deputado, deputado que continuará a ser até 1945. | Ler mais

1939

Abril, 23
Em jogo da última jornada da época 38/39 o Benfica visita o FC Porto e a vitória de um ou de outro decide o título de campeão. A polémica começa logo com o FC Porto, habituado a jogar no Estádio do Lima, a transferir o jogo para o Campo da Constituição para maior conforto do público, o que desagradou ao Benfica. E no jogo, com o resultado empatado a três golos, o Benfica fez o 3-4 no último minuto, que valeria o título, mas o árbitro invalidou. As crónicas da época falam da razão do Benfica e naquilo a que chamam "o excesso de zelo" do árbitro setubalense Henrique Rosa, ao invalidar aquele que seria um "hat-trick" de Brito. Teria o árbitro entendido que o jogador agarrara um adversário, mas, conta a imprensa da época, Brito estava suficientemente longe de todos eles para o poder ter feito. O Benfica descreveu a situação como a "maldade" do árbitro e chegou a fazer uma festa de homenagem à equipa, como se esta se tivesse sagrado campeã, mas a história dá, naturalmente, o título ao FC Porto. | Ler mais 1 | 2 | 3

Junho, 18
Ao minuto 75 da segunda mão da meia-final da Taça de Portugal de 1938/39, a primeira da história, no Campo das Amoreiras, em Lisboa, os dirigentes do FC Porto mandavam a equipa abandonar o campo, protestando contra o que consideravam favorecimento do árbitro setubalense António Palhinhas ao Benfica. O resultado estava em 6-0 para os encarnados. Era a explosão da rivalidade. |Ler mais | Artigo Original I | II | III

1940

Em 1939/40, o Campeonato Nacional passa de oito para dez clubes, a título excepcional, pois o FC Porto fora apenas terceiro no Campeonato Regional e só os dois primeiros tinham acesso à competição, valendo então a votação das restantes associações regionais (nomeadamente a de Lisboa), que viabilizaram o alargamento, de forma a permitir a participação da equipa do FC Porto.

1941

Na época de 1940/41 para ganhar no campo tudo o que havia para ganhar - o Sporting gastou com o futebol 317.397$00, mais de 160 contos foram para... "assistência aos futebolistas" que era como eufemisticamente se chamava aos ordenados, mas contas dos clubes. A Szabo, o treinador, pagou 28.850$00. Só não foi mais - porque em "acto de amor leonino" aceitou que lhe cortassem três contos ao quinhão, por os tempos serem de crise e guerra à vista. As receitas ficaram pelos 238 contos, o défice foi de 79.372$25. Pelos jornais havia publicidade aos "receptores Phillips 141" - com imagem de Fernando Peça, "o locutor português da BBC" - custavam 750$00. Raro era o jogador que recebesse isso num mês só...

A par do que se sucedera em 1939/40, o FC Porto voltou a ser terceiro e novamente foi alargada a competição, de forma a permitir a participação da equipa do FC Porto.

1956

Novembro, 11
No intervalo de um jogo disputado no Campo da Tapadinha que opõe Atlético ao Sporting e que se cifra num empate ao fim dos primeiros 45 minutos (1-1), o presidente do Sporting, Carlos Góis Mota invade o balneário do árbitro da partida, Braga Barros de Leiria, e ameaça-o verbalmente e alegadamente com uma arma que por norma o acompanhava. O presidente do Sporting, que tomara posse como presidente leonino em 28 de Janeiro de 1953, viria a exercer o cargo até 31 de Janeiro 1957, participando por mais nove vezes na Direcção do Clube, duas como vogal e sete consecutivas como vice-presidente, desde 19 de Janeiro de 1946 a 30 de Janeiro de 1952. Cumulativamente era presidente da Legião Portuguesa, uma milícia criada em 1936, que estava sob a alçada dos Ministérios do Interior e da Guerra, e que nas décadas de 50 e 60 se caracterizou pela perseguição e repressão às forças oposicionistas ao regime, para a qual contribuiu o seu Serviço de Informações e a sua vasta rede de informadores. Certo é que depois da insatisfação do presidente sportinguista que entre outras coisas disse ao árbitro da partida «aconselhou-o a tomar mais atenção na 2ª parte pois poderia prejudicar-se», o Sporting viria a vencer por 3-1.

1973

Abril, 1Com 23 vitórias em 23 jornadas e o Campeonato Nacional já conquistado uma jornada antes, o Benfica desloca-se ao Estádio das Antas na 24.ª jornada, onde acaba por empatar a 2. A vencer por 2-1 a poucos minutos do fim, o árbitro António Garrido sanciona uma grande penalidade inexistente após encenação do portista Flávio na grande-área de José Henrique. O empate impediu assim o Benfica de somar a 24.ª vitória em outras tantas jornadas. | Ver imagem I | II

1975

Outubro, 18
Episódio caricato num célebre FC Porto - Sporting, disputado no Estádio das Antas, José Matos, um dos apanha-bolas do encontro mete a bola dentro da baliza do Sporting e Alder Dante, sob intenso nevoeiro, acaba por validar o golo... do FC Porto. | Ver vídeo  

1976

Junho, 13
A final da Taça de Portugal da temporada de 1975/76 é disputada entre o Vitória de Guimarães de Fernando Caiado e o Boavista de José Maria Pedroto no Estádio das Antas, acabando por sorrir aos axadrezados mas com muita polémica à mistura, principalmente em virtude da nomeação e actuação de António Garrido para dirigir a partida. | Ler mais

1978

O F.C.Porto sagra-se campeão nacional fruto do empate no jogo decisivo ante o Benfica, disputado em pleno Estádio das Antas. O golo que permite a igualdade aos portistas tem origem numa falta inexistente assinalada à entrada da área. Da cobrança do livre chega o golo do empate do F.C.Porto (1-1). O lance sucede-se nos últimos minutos do jogo, o F.C.Porto estava em desvantagem desde o terceiro minuto, após o auto-golo de Simões, que vira a barra devolver uma bola cabeceada por Humberto Coelho.

1979

Dia de Clássico, joga-se já em plena segunda volta a liderança do campeonato numa tarde chuvosa na Luz, é neste célebre jogo que Toni sai a chorar por ter involuntariamente partido a perna de Marco Aurélio. O Benfica está a vencer por 1-0 desde os primeiros minutos com um golo de João Alves, mas já na ponta final do desafio, em recarga a um livre defendido por Bento, o brasileiro Duda em claríssimo fora de jogo, empata a partida. O F.C.Porto de Pedroto, já com Pinto da Costa no departamento de futebol, sagra-se campeão com um ponto de avanço.

1980

O chamado "Verão quente" do Futebol Clube do Porto, Pinto da Costa e Pedroto alimentam a ideia que o então Presidente Américo de Sá é um traidor e vive condicionado à vontade de Lisboa, vislumbra-se com a estratégia tomar de assalto o FCPorto, Américo de Sá contudo não cede às pressões; “Pinto da Costa quis ser o dono do Porto, mas a estratégia falhou. Nunca disse que o Porto deveria render-se a Lisboa. O que lhe disse é que não aceitava que o clube entrasse em guerras como aquelas que fizeram Pedroto e Pinto da Costa” | Ver vídeo  

1982

Abril, 23
Pinto da Costa toma posse como presidente do F. C. Porto

Julgado ‘improcedente’ pelo CT da FPF o ‘protesto’ do Boavista. Em causa erros técnicos no FC Porto-
Boavista

Interdição das Antas à entrada de um jornalista devido a declarações

Caso criado por declarações do tesoureiro da FPF a respeito de arbitragem

Diferendo entre árbitros. Em Causa a promoção a internacional

Diferendo entre clubes de Futebol. Em causa o horário dos jogos e compromissos com a RTP

1983

Junho, 1
Benfica e FC Porto apurados estão para a Final da Taça de Portugal, após os "encarnados" vencerem o campeonato, sai bomba da Assembleia Geral do clube das Antas: Pinto da Costa, com o apoio dos associados, anuncia que o FC Porto não comparecerá na final da Taça a ser disputada no Estádio Nacional, exigindo que a mesma seja disputada no Estádio das Antas.

Junho, 8
Ficou a saber-se que a Final da Taça de Portugal ficava adiada para uma nova data ainda desconhecida. Os jogadores do Benfica e do FC Porto partiam de férias, num dos momentos mais circenses de todos os tempos no futebol português. Fernando Martins, presidente do Benfica, mais tarde, viria a aceitar a final da Taça nas Antas, segundo ele, "em defesa do FC Porto e do prestígio do futebol".

Agosto, 21
Fazendo-se a vontade de Jorge Nuno Pinto da Costa e José Maria Pedroto, o Benfica desloca-se às Antas e vence a partida por 1-0, com um excelente golo de Carlos Manuel. O mau perder de Pedroto vem ao de cima ao dizer que "O Benfica utilizou o seu poderio para não jogar na data marcada, pois estariam em muito má forma".

FC Porto multado devido ao apedrejamento da camioneta do Sporting

Diferendo entre o FC Porto e a FPP sobre o local da Final da Taça de Portugal em Hóquei em Patins

Caso de suborno a 3 jogadores do Águeda no jogo com o Peniche

Diferendo entre árbitros de Santarém e o FC Porto devido a declarações do treinador deste clube

Julgado ‘improcedente’ pelo CJ da FPF o ‘recurso’ do FC Porto. Em causa erro técnico no jogo com o Estoril.


CONTINUA...

quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

GUACHOS DISSE E EU..."REDIGO"!


Perdemos um jogo! 
No entanto, continuamos na frente
E com os mesmos 6 pontos.

Para os benfiquistas só nas victórias, o campeonato já era. 
O JJ é o maior imbecil do mundo e tem que ir para a rua.
Sim, o mesmo JJ, que nas comemorações do Marquês, só não lhe lamberam a tomatada porque estava muita gente a olhar e ele não deixou. Óbviamente!

Cambada de ignorantes!
Cambada de benfiquinhas de meia-tigela!
Só os burros de palas laterais são capazes de acreditar que no futebol não existem empates nem derrotas.
Para essa cambada só existe a vitória...a da sua imbecilidade!

Felizmente, a maioria dos benfiquistas não se revêem na corja bastarda, petardeira e maldizente.

O benfiquista a sério continua a acreditar convictamente!
O benfiquista de coração, continua a apoiar, lado a lado, na felicidade ou na adversidade.
E como me considero um desses benfiquistas, concordo a 100%, e incondicionalmente, com o post do Guachos Vermelhos que, "subreptíciamente", surripiei e passo a publicar, sem sequer lhe pedir autorização:

Foi de mota...

Segundo parece - a paternidade do penalti assinalado contra o Benfica veio de «mota», já no período de descontos. Foi o 4º árbitro, Manuel Mota, que mesmo a 60 metros de distância terá soprado com muita paixão ao ouvido do Bruno, 'obrigando-o' a assinalar para a marca de grande penalidade. As ratazanas ofendidas com o fora de jogo correctamente assinalado ao Rio Ave - na Luz - desta vez, como é evidente, ficarão caladas, respaldadas na eficácia das novas tecnologias, para o bem da (deles) 'verdade desportiva'. O Benfica serve para tudo - até como exemplo de como se não deve adulterar as regras instituídas

A diferença dos 4 na Madeira ou dos 3 ao Guimarães - esteve na (falta de) eficácia. Apenas isso. 81 jogos depois o Benfica não marcou qualquer golo e por isso não foi capaz de ganhar. 3 bolas nos ferros; pontaria a mais, e uma grande penalidade desperdiçada; pontaria a menos!
O resto é dos livros; quem não marca arrisca-se a perder. As teorias da falta de atitude e outras mais ou menos mirabolantes não passam disso mesmo; teorias, muitas delas acintosamente parvas. Bastava que Lima concretizasse o penalti que teve à disposição e adeus teorias da treta.

Perder faz parte do jogo; faz parte da vida. Anda por aí uma rapaziada airosa que ainda não conseguiu perceber este conceito tão simples: Ninguém ganha sempre e no futebol ainda menos. 

Jorge Jesus acabou o jogo furioso com Eliseu e tinha toda a razão. Eu, como adepto, não estava menos zangado. Quando não consegues ganhar, quando estás num dia em que a bola simplesmente se recusa a entrar, o mais importante é que sigas sem perder. É preciso ser muito idiota para não o perceber. Jogar ao mais alto nível pressupõe estar ciente do facto. Jogadores com experiência de Eliseu ainda mais. Jesus fez muito bem em mostrar todo o seu desagrado. Foi em publico? Pois foi, e depois? Eliseu fez a merda que fez em privado? Quem não quer ser lobo não lhe veste apele. E ponto final. 

Que lhe sirva de emenda. Sofrer um golo, causador de uma derrota, em cima do minuto 90, não por mérito do adversário mas por causa de um erro estúpido e primário, não tem perdão. E nem me interessa se o penalti chegou de mota ou se teve demasiada paixão; foi um erro estúpido e inadmissível naquela altura do jogo, cometido por um profissional experiente e muito bem pago para não fazer daqueles disparates..

E é por isso que não há forma de escamotear a realidade: foi mau; este  resultado foi demasiado mau e penalizador para quem teve tantas oportunidades de ganhar o jogo. Outra coisa é a teoria que o Paços mereceu ganhar e outras, com que estou em profundo desacordo. Passaram grande parte do jogo a defender, perdendo tempo deliberadamente. O guarda-redes cagou para quem pagou bilhete para ver futebol e quem for capaz de elogiar uma merda destas não me venha dizer que gosta de futebol. Pode gostar muito que o Benfica perca. Agora, o espectáculo vem em segundo plano. 

É por isso que o futebol nunca evoluirá em Portugal; elogia-se sempre a mediocridade em detrimento da qualidade. Todos dizem querer golos e futebol espectáculo mas depois desfazem-se em elogios com os que tudo fazem para os evitar. E ainda penalizam os únicos que se esforçam por ganhar, fazendo todas as despesas do jogo! Uma questão de mentalidade.

Em jeito de conclusão...
Desperdiçou-se uma enorme oportunidade de oferecer o golpe de misericórdia ao nosso maior adversário. Ofereceu-se um balão de oxigénio ao lagartedo megalocéfalo, de tal maneira que hoje de manhã vi-os a festejar como se lhes tivesse saído o euromilhões, e a comunicação social vendeu hoje como há muito não vendia. Os taliban da internet multiplicaram o numero de insultos e de visitas, e foram vários os milhões que passaram uma noite de insónia...

Contudo, e como hoje o dia nasceu como de costume, o Sol continua a brilhar, o Mundo continua redondo e a classificação não depende dos desejos dos vendedores de ilusões, a realidade mostra-nos que os Campeões Nacionais seguem na frente do campeonato com os mesmos 6 pontos de vantagem que traziam da jornada anterior e que há menos uma jornada para disputar...e recuperar atrasos. É uma chatice mas é mesmo assim - por muitas voltas que lhe queiram dar.

sábado, 24 de janeiro de 2015

VANGUARDA...ATÉ NA SAÚDE!



O Benfica lançou o programa Desfibrilhação Automática Externa (DAE), licenciado pelo INEM, passando a contar com 19 desfibrilhadores: 10 em todo o complexo do estádio da Luz e nove no centro de estágio, no Seixal.

Este programa contará com 152 colaboradores, bem como os Bombeiros Voluntários Lisbonenses e os Bombeiros Mistos do Seixal.

No complexo da Luz, os desfibrilhadores serão distribuídos pelo estádio (cinco), Museu Cosme Damião (um), pavilhões (um), piscinas (um), área comercial (um) e campo dos Pupilos do Exército (um).

No centro de estágio, quatro serão destinados exclusivamente às duas equipas profissionais (A e B) e equipa de juniores, enquanto os outros cinco estarão reservados a toda a formação dos 'encarnados'.

Para o director clínico do clube da Luz, João Paulo Almeida, este reforço do equipamento de assistência médica "é um passo importante na história do clube", que passará a estar dotado com desfibrilhadores "em todos os locais de prática desportiva".


"É altamente gratificante contar com estes recursos, que ajudarão a salvar muitas vidas", disse João Paulo Almeida na apresentação do DAE.

O presidente do INEM, Paulo Amado de Campos, felicitou o Benfica por ter dado "um passo excepcional no propósito de salvar vidas" e no esforço mostrado em "acompanhar a história da emergência médica".

No âmbito deste programa, 36 colaboradores do Benfica já receberam formação específica em suporte básico de vida e desfibrilhação automática, que vai abranger ainda em outros 40 funcionários do clube.

Os desfibriladores automáticos externos são dispositivos electrónicos portáteis que, em situações de paragem cardiorrespiratória, analisam o ritmo cardíaco e, nas situações indicadas, aplicam um choque eléctrico com o intuito de se retomar um ciclo cardíaco normal e assim evitar a morte da vítima.

Lusa/SOL

HAJA SAÚDE...À BENFICA!